30 de mar de 2011

Comissão do senado aprova o voto em lista fechada: em uibaí diminuiria o assédio do candidato ao eleitor?


Angeli

Com um placar apertado – 9 a 7— a comissão de reforma política do Senado aprovou o sistema eleitoral de lista fechada.

Trata-se de uma sistemática que retira do eleitor o direito de votar nos candidatos de sua preferência nas eleições para deputados –estadual e federal— e vereadores.

O cidadão fica obrigado a votar num partido político. Serão eleitos os candidatos levados a uma lista pela legenda, na ordem que ela indicar.

O número de eleitos de cada partido dependerá da quantidade de votos que a agremiação conseguir capturar na eleição.

O resultado foi uma vitória parcial do PT, maior defensor do voto em lista. O êxito é parcial porque a coisa precisa ser aprovada nos plenários da Câmara e do Senado.

O modelo atual, embora imperfeito, homenageia a vontade da bugrada, não dos mandachuvas dos partidos.

Hoje, o sujeito escolhe os nomes que bem entende. Por vezes, vota-se em Tiririca (PR-SP) e elege-se junto Protógenes Queiroz (PCdoB-SP). Daí a imperfeição.

O risco é maior, porém, no modelo aprovado na comissão de sábios do Senado. Flerta-se com a hipótese de votar no PT e eleger mensaleiros empilhados numa lista.

Na sessão desta terça, concorreu com o voto em lista um sistema apelidado de “distritão”, preferido por sete dos presentes.

Consiste no seguinte: cada Estado é tomado como um grande distrito. Elegem-se os candidatos mais votados em cada "distritão".

Funcionaria como nas atuais eleições majoritárias –para prefeito, governador, senador e presidente da República. Tem a vantagem de eliminar o veneno do puxador de votos.

Cada candidato dependeria apenas dos votos que fosse capaz de seduzir. O prestígio de Tiririca não seria transferido a Protógenes.

Deveu-se sobretudo à omissão do PSDB a derrota do “distritão”. Havia três tucanos na sessão da comissão de reforma política.

Numa primeira rodada de votação, Aécio Neves (MG), Lúcia Vânia (GO) e Aloysio Nunes (SP) posicionaram-se a favor do voto “distrital misto”.

No segundo e decisivo embate –voto em lista X distritão— a tróica de tucanos preferiu escalar o muro da abstenção.

EXTRAÍDO DO BLOG DE JOSIAS SOUSA

Um comentário:

  1. CONFESSO Q APESAR DE AINDA NÃO DEBRUÇAR MAIS ACURADAMENTE ACERCA DOS TAIS MODELOS ELEITORAIS me simpatizo mais com esse tal LISTA FECHADA.

    Claro q não sou ingenuo pra achar q com isso teremos altas mudanças pra melhor e tal até por q quem tem mais voto é quem tem mais grana e poder e isso não será mudado com a mudança de modelo;;;

    MAS, vejamos o caso de uibaí, a coisa mudaria um bokado de figura nos métodos de se fazer uma campanha pra vereador, pois, o q se v são duas coisas, o ou a candidata correr atrás de votos e literalmente tem q COMPRÁ-LO pra consegui-lo assim como esperar q um bom puxador de voto lhe ajude...

    COM ESSE NOVO MODELO, como fikaria pois o voto é no PARTIDO e não exatamente na pessoa? os candidatos teriam omesmo empenho em COMPRAR VOTOS ? penso q sim, mas , se juntariam aos colegas pra fazer uma especie de VAQUINHA pra gastar em nome do partido?? por q de seu bolso apenas fika meio estranho, então, como fikaria a relação agora candidato-eleitor??

    COMO DISSE, NUM SISTEMA TODO VICIADO e numa cultura horrorosa como a nossa, a malandragem não diminuiria, mas mudaria de forma, ou não???
    Confesso q tô curioso pra v esse troço!

    CELITO REGMENDES, lembro q esta é uma posição particular, não considere como uma posição fechada do MVIVE- AINDAGA, valeu???

    ResponderExcluir